Picture1

Quando decidi criar o blog, também decidi que nunca seria uma obrigação. Portanto, escrever sobre mim, o  meu estilo de vida saudável ou a vida com “o filho da sogra”, seria sempre um prazer. A verdade é que sigo várias pessoas pelas redes sociais/blogs e fico (quase) sempre com a sensação que não tenho vida para ser mais activa, ou então não me organizo suficientemente para ter tempo para tudo. Calma!!!!!!! Eu sou a organização! Portanto vamos esquecer a segunda opção 🙂

Acho mesmo que “não tenho vida” para me dedicar a mais coisa nenhuma, e há aquelas alturas que apetece desistir de tudo. Voltar a treinar apenas quando me apetece, sem disciplina. Não preparar refeições para a semana e olha…seja o que Deus quiser – Fome também não hei-de passar 🙂 Será que isto também acontece com os outros que eu sigo, ou apenas comigo? Momentos de fraqueza, quem não os tem?! 🙂

Mas são momentos como os do Domingo passado que me fazem acreditar que tudo vale a pena. Não sou presunçosa para achar que um dia viro atleta a sério (Seja lá o que isso significa), mas arrogante q.b para continuar a treinar para ser menos amadora do que o que sou agora, e do que era há 2 anos atrás.

Ninguém me obriga a correr, eu sei que nunca irei ganhar nenhuma prova, e no limite se não conseguir poderei parar de correr, mas a verdade é que nunca deixo de me sentir nervosa antes de uma prova. Seja ela de 10km ou de 21, e isso só acontece porque há comprometimento connosco e levamos a sério qualquer treino ou prova que façamos.

No Domingo passado, dia 19 de Março, nada foi diferente: Os mesmos nervos e ansiedade do diabo! Desta vez não ia confiante e a verdade é que superei a minha marca. Mesmo a sofrer com calor, mesmo com uma bolha no pé, mesmo com dor no ombro direito. E quando termino não há forma de controlar as lágrimas que correm cara abaixo. Ali estava eu “sozinha” a terminar mais uma meia,  e no meu melhor tempo.

É este momento, aliás são momentos como este que me fazem relembrar porque sacrifico algumas coisas na minha vida pessoal. Porque sacrifico horas de fim-de-semana a preparar refeições da semana e horas de lazer por ginásio e corridas. Não há nada que pague aqueles momentos de felicidade e de conquistas tão pessoais. Eu tento explicar isso aos meus amigos/colegas/família, mas fico sempre com a sensação que sou vista como a maluquinha do grupo. Ainda ouço coisas como “sofrer..?! Não é para mim!” ou “correr só porque sim, sem objetivos…? Não!!!”   Sem objetivos? Sofrer? A isto eu chamo testar os meus limites e superar-me!!! Felizmente sei que muitos que partilham este gosto sabem do que falo. Curiosamente também são estes “amigos virtuais” que mais apoio dão. Desejam boa sorte antes de uma prova e perguntam como terminou no final. Se for preciso ainda dão os parabéns mesmo que o tempo tenha sido terrível, só para não desanimar 🙂 Passamos a ser uma verdadeira comunidade. Nós sabemos o que sentimos, o que passamos, o que lutamos e a felicidade que alcançamos sempre que terminamos uma prova. E deixem-me que vos diga. Não tem preço!!!!!!

é o pináculo de uma curta vida de atleta! 🙂

 

 

1 comment for “

  1. Anónimo
    2017-03-26 at 23:35

    Força querida tu és uma mulher determinada e.com uma força fora de ser és uma grande mulher o meu filho teve muita sorte mas não te esqueças que me tens que me dar um neto ou neta kkkkkkkm grande bj gosto muito de ti

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.